Feeds:
Posts
Comentários

Para Vange, com amor

vange

Lá no meio dos anos 90, quando não havia redes sociais e essa vida toda universalmente compartilhada que vivemos hoje, eu tinha uma só fonte de informação e referência sobre tudo que dizia respeito à minha identidade lésbica. Essa fonte se chamava Cio, um blog dentro do Mixbrasil, escrito pela Vange Leonel e sua mulher Cilmara Bedaque. Eram textos incríveis, divertidos, politizados, enfim, eu entrava todo dia ali esperando um post novo. Era alguém me dizendo que não apenas estava tudo bem, como estava tudo verdadeiramente fantástico. Que nós, mulheres, éramos muito incríveis.

O tempo passou. Quis que eu viesse morar em São Paulo. Isso aconteceu duas décadas depois de ter Vange Leonel como referência distante pra um bocado de coisa, incluindo aí conselhos sentimentais. Eis então que, graças a vários interesses e visões políticas em comum, nos tornássemos “colegas de Twitter”. Daí pra que eu me encontrasse pessoalmente com ela e Cilmara, hoje uma amiga, foi um pulo. E eu que já era fã, virei mais fã ainda.

E aí vem a notícia hoje que Vange se foi.

Lembro agora das cervejas, das fofocas, das opiniões sempre fortes, de uma entrevista que fiz com ela e outras feministas no bar onde esse grupo de amigos sempre se encontrava/encontra aqui em SP, das trocas de ideias. Vange era foda. Guardava em si uma energia e uma lucidez que ecoavam e reverberam em quem estivesse perto. Ou melhor, ainda ecoa e reverbera, não fosse isso nem estaria escrevendo esse texto aqui.

Todo mundo aprendia e ainda tem a aprender com Vange. Como militante LGBT, ela ouvia a todos e processava as informações ao seu redor da maneira mais “comunista” possível: traduzia todo seu arsenal de conhecimento, o que não era pouco, em palavras muito bem articuladas para o entendimento comum. Escreveu peças, entre elas, As Sereias de Rive Gauche, um clássico da narrativa lésbica. Novas gerações de meninas deviam procurar, ler, entender onde tudo começou.

E bem, como amiga de quem amigo quisesse ser, ela era sempre essa coisa imensamente generosa. Aliás, generosa, taí uma palavra que explica bem Vange Leonel.

Brinquei um dia que quando tivesse dinheiro eu podia pagar pra que ela tivesse uma coluna aqui nesse blog, porque eu sentia falta dela escrevendo, daqueles tempos em que, sem saber, ela ajudava tanta menina a entender que elas não estavam sós.

Hoje, Vange, preciso dizer que é você quem não está só. Estamxs juntxs. Em algum lugar para sempre fixo em nossos corações e mentes. Obrigada por tudo.

E para Cilmara, como bem citou o amigo Pedro Alexandre Sanches, “todo amor que houver nessa vida”.

ps.: A foto acima foi uma que tirei dela, de costas, no Carnaval deste ano. Esse coração colorido que ela continua sendo.

O Cornetto, sim, o sorvete, está patrocinando uma série de curtas-metragens sobre essa coisa mucho-loca-pero-increíble de se apaixonar. E aí que fizeram esse filminho aqui mega blaster fofo narrado pela Lily Allen (que faz uma ponta também no curta) sobre a improvável história de amor entre uma boleira e uma tenista famosa e gata chamada Maria (mas não é a Sharapova gente, calma). Enfim, o filme está em inglês, mas mesmo pra quem não entende a língua fica bem fácil saber o que se passa em cena. Vejam que lindeza:

Meninas (e meninos) do meu Brasil, tirando o pó do blog com uma seleção de clipes com música boa e moças melhores ainda. Tudo banda recente, com singles que saíram do forno há poucas semanas. Em comum, todas fizeram vídeos com histórias de meninas que beijam meninas, que pensam em mais meninas, que tentam curar a ressaca com outras meninas. Enfim, história da nossa vida.

Começando com esse incrível casting de casais que, benza Deus, estão todxs de parabéns. A música é boa, os beijos parecem ser deliciosos e as moças, bem, dá pra se apaixonar algumas vezes:

Shura, com Touch

Continuar Lendo »

E antes que vocês venham pensar safadeza da minha pessoa, a pergunta não é minha, é do BuzzFeed, que coloquei uma das suas trívias engraçadíssimas (e viciantes) com essa questão aí acima. Eu não sei vocês, mas minha posição foi essa aqui:

Captura de Tela 2014-03-26 às 21.18.56

Façam o de vocês (é preciso entender inglês) e digam aí no que deu.

EM TEMPO: Sim, vou fazer um LONGO post sobre as lésbicas de Maneco, estou apenas tentando assistir mais um pouco para sustentar uma hipótese que tenho sobre as personagens e o que as cerca.

EM TEMPO 2: Segue a gente no Facebook que, assim que eu postar sobre as minas da novela, você vão me ajudar a compartilhar o texto (ou não😉 )

Captura de Tela 2014-03-21 às 23.31.35

Vocês, meninas sabidas que são, já devem conhecer a cantora/atriz/modelo/topas-todas-tu Soko. Já até colocamos clipe dela por aqui no blog. Conhecendo ou não, achei oportuno o momento para voltarmos a falar da moça. Isso porque há alguns dias a internet inteira + a torcida do Flamengo, do Corinthians e qualquer outro time enfim, postou um vídeo supostamente mega fofo, naquele nível “voltamos a acreditar na humanidade” de um tal “primeiro beijo entre desconhecidos”. Enfim, desconfiada e ciente de quem era uma das moças a beijar outra moça nesse vídeo, saquei logo que se tratava de uma campanha. Para você, que estava em órbita extra-terrena, e não viu, estamos falando desse vídeo aqui, uma campanha publicitária de uma marca de roupa que nem convém aqui mencionar o nome:

Continuar Lendo »

Estava eu aqui preparando um post sobre a bizarrice das personagens bissexuais da novela de Maneco, quando recebo uma mensagem de uma amiga com isso aqui:

Captura de Tela 2014-02-15 às 09.10.29

Se vocês não sacam dos parangolé do inglês, traduzo:

Ellen Page sai do armário.

ou

Ellen Page é lebiscoita sim senhor.

ou ainda,

Ellen Page fala o que a gente já sabia e enche meu coração de orgulho.

Porque não apenas ela se admitiu lésbica, como fez um discurso absolutamente emocionante antes disso.

ellen page

A saída de armário aconteceu em um evento do The Human Rights Campaign e tem o vídeo com o depoimento completo da moça a seguir:

Continuar Lendo »

Amo curta-metragens. Infelizmente, temos poucas oportunidades de assistí-los (surgiro, aliás, o excelente Porta Curtas que armazena uma quantidade incrível de curtas nacionais). Curtas bons com personagens lésbicas então, aí minha gente, é achar pepita de ouro no meio de um grande lamaçal. São poucos aqui os que me lembro. Mas eis que clicando aleatoriamente em vídeos pelo u-tube, dou de cara com esse filme bastante simpático vindo lá da França e exibido no ano passado. Está com legenda em inglês, mas nem precisa tanto. Boa parte da dinâmica se entende sem precisar de idioma algum.

Relaxem, respirem fundo (só não fechem os olhos) com Bouddhi Bouddha, de Sophie Galibert:

Em tempo: que delícia meditar com essa amiga viajante hein? Queria uma dessa – com esses olhos incríveis – pra mim também.

Em tempo 2: já curtiu nossa página no Facebook? Tamo devagar, mas tamo-indo😉

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 164 outros seguidores